A jornal francês, Papa fala sobre Islã, Europa e migrações

Veja o que disse Francisco, em entrevista ao jornal “La Croix”, ao tratar de assuntos como islamismo, Igreja na França, pedofilia e migrações

A jornal francês Papa fala sobre Islã Europa e migrações 18.05.16

“Embora a França seja filha primogênita da Igreja”, ela constitui uma “periferia a ser evangelizada”, sublinha o Papa, em entrevista ao jornal católico francês “La Croix”, publicada nesta terça-feira, 17.

Francisco afirma ter recebido uma carta de convite do Presidente Hollande e do episcopado para visitar o país, mas de momento não há datas. De qualquer modo, exclui-se 2017, ano de eleições na França. Mas não se exclui uma eventual etapa em Marselha que representa “uma porta sobre o mundo” e onde nenhum Papa esteve até hoje.

Igreja na Franca

No que toca à evangelização, o Papa sublinha que as dificuldades não estão necessariamente ligadas à falta de sacerdotes e evoca o exemplo da Coreia, onde os leigos têm desempenhado um papel importante, chamando assim a atenção para o perigo do clericalismo.

Quanto à questão da pedofilia que sacudiu a França nas últimas semanas, o Papa volta a frisar, citando Bento XVI, “tolerância zero” em relação a sacerdotes que, chamados por vocação a proteger uma criança a destroem, semeando o mal, a dor… Em relação ao cardeal Philippe Barbarin, arcebispo de Lyon e actualmente sob investigação, o Papa considera-o um homem corajoso que tomou as medidas necessárias e diz que não é o caso de falar em demissão.

Outra questão ligada à Igreja na França é a relação com a Fraternidade de São Pio X. A este respeito o Papa disse “avançamos lentamente e com prudência”. Ele define os lefevristas como “católicos em caminho da plena comunhão” e afirma que o superior, D. Bernard Fellay “é um homem com o qual se pode falar”.

Islamismo e a migração

Na entrevista ao “La Croix”, o Papa fala também das migrações e das relações com o Islã, e embora frisando que “não se pode abrir as portas de par em par de forma irracional”, diz que é importante compreender o “porquê” das migrações, e volta a chamar em causa “o sistema econômico mundial dominado pela idolatria do Deus dinheiro”.  Francisco convida os europeus a favorecer a integração e sublinha que “a coexistência entre cristãos e muçulmanos é possível. E a este respeito diz “não estar convicto de que seja hoje o medo do islã enquanto tal” a dominar, mas sim o medo do Isis e da sua “guerra de conquista” em parte extraída do Islã. E referindo-se à forma como o modelo de democracia ocidental foi exportado para países como o Iraque ou a Líbia, Francisco sublinha que “não podemos ir para a frente sem tomar em consideração essas culturas”.

Estado laico

O Papa não foge também à pergunta sobre a laicidade do Estado deixando claro que “o Estado deve ser laico”, mas considera que a laicidade deve ser acompanhada por uma sólida lei que garanta a liberdade religiosa”. Exprime também o desejo de que a França dê “um passo em frente na questão da laicidade”, aceitando a abertura ao transcendente como um direito de todos. As leis sobre questões como eutanásia, uniões civis… devem ser definidas pelo Parlamento, mas deve também ser respeitado o direito à objeção de consciência que é um direito humano, frisa o Papa completando o raciocínio sobre a laicidade.

Outros assuntos abordados na entrevista prendem-se com a diferença entre os dois sínodos sobre a família, as raízes cristãs da Europa, raízes “plurais” na óptica do Papa.

Canção Nova

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: