O que os santos têm a ensinar sobre a educação dos filhos?

O que os santos têm a ensinar sobre a educação dos filhos 11.06.16

Livros trazem aconselhamentos de santos para a educação dos filhos. Imagem: Divulgação / Editora Katechesis

Os santos e doutores da Igreja têm algo a dizer sobre a educação das crianças e jovens em pleno Século XXI? A editora Katechesis aposta que sim e por isso vem publicando obras que buscam trazer os ensinamentos de grandes mestres da espiritualidade para ajudar os pais católicos na sua missão.

O primeiro desses livros é o clássico “A Educação dos Filhos”, uma coletânea que agrupa conselhos para os pais vindos de Santo Antônio Maria Claret, Santa Teresa de Ávila e São João Crisóstomo.

A obra reúne nove aconselhamentos de fé e amor, que levam à reflexão, instrução e correção para o estado de vida dos filhos. Mas, segundo ressalta o educador Felipe Nery Martins Neto, Diretor da Editora Katechesis, este livro “não é um código e nem um manual, uma receita de bolo que deve ser executada em alguma situação ou circunstância da vida em família”.

Em um mundo marcado pelo vazio de sentido e carência de uma sólida educação religiosa, os pais se preocupam com os vários caminhos que os filhos são seduzidos a trilhar na medida em que vão crescendo. Com isso, a responsabilidade de educar se torna não apenas um dever, mas uma tarefa árdua e que requer perseverança.  Diante dessa realidade, o livro traz direcionamentos e instruções para que os filhos possam encontrar o caminho que leva a Deus, o chamado à fé, diferentemente da educação usual e formal recebida nas escolas.

Trata-se de uma obra que “instiga os pais para que bebam da fonte que é o próprio Espírito Santo e, sendo assim, encontrem a resposta”, indica o Prof. Nery.

Outro livro que traz as contribuições de São João Crisóstomo é “Da Vanglória e da Educação dos Filhos”, no qual o santo expõe que a causa de todos os males é que meninos e meninas são educados com o princípio da vanglória, o contrário da humildade.

Dessa forma, ressalta que uma educação rasa e superficial, em que os pais se preocupam em adornar e vestir os filhos com roupas de ouro e um amor apegado às riquezas, tem como resultado o detrimento de uma educação pura, em que os valores, a moral cristã e a lei são sequestrados e impedidos de formarem uma identidade sadia e virtuosa.

Em um dos capítulos, São João Crisóstomo enfatiza a importância de os pais acompanharem seus filhos à Igreja, para que aprendam a rezar com empenho e devoção.

“Se desde a primeira infância carecem as crianças de mestres, que será delas? Se alguns, educados e instruídos desde o ventre materno até a velhice, não conseguem triunfar, que males serão capazes de cometer os que nunca foram educados? O certo é que todas as pessoas se esforçam para que seus filhos se instruam nas artes, nas letras e na eloquência, mas a ninguém ocorre pensar em como exercitar sua alma. Portanto, não cesso de vos exortar, rogando-vos e suplicando-vos que, antes de qualquer coisa, eduqueis bem os vossos filhos. Se tendes consideração por vossos filhos, aqui o haveis de mostrar”, afirma o santo.

Por fim, a editora Katechesis apresenta “Filhos e Pais – Sabedoria e orientação para os pais”, uma obra mais contemporânea, com as palavras e ensinamentos de conselhos de Dom Fulton Sheen, um dos mais admirados bispos da Igreja Católica dos Estados Unidos do século XX e que, em 2012, teve reconhecida por decreto do Papa Bento XVI uma vida de virtudes heroicas.

Para o Prelado, uma das mais sérias ameaças no relacionamento entre pais e filhos é a permissividade. Dom Fulton Sheen considerava que “todos os pais que se eximem de exercer controle e disciplina inteligentes sobre seus filhos são pragas sociais muito antes de seus filhos se tornarem delinquentes”.

Na obra, o Bispo reconhece que existem deveres dos filhos para com os pais e vice-versa, bem como dois tipos de disciplina ou “treinamento”, um externo que está ligado à regra e outro interno, relacionado à razão e à consciência, ambos em sintonia com a obediência.

Dom Fulton Sheen explica ainda que a autoridade excessiva sempre tem origem em um falso conceito de autoridade. “O líder que está seguro de sua posição não precisa realizar demonstrações extremas de autoridade”, diz ele.

ACI Digital

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: