“Dizei-lhe que estou enferma de amor” (Ct 5, 8)

mensagens-sobre-o-amor-de-deus-parte-3-1A enfermidade é sempre vista com um aspecto negativo, parece-nos um paradoxo associá-la a algo bom, mas há um trecho bíblico que nos fala de uma enfermidade ‘diferente’: “Dizei-lhe que estou enferma de amor” (Ct 5, 8). Esta frase inquieta um pouco e parece dar um nó em nossas convicções, pois não nos parece lógico estar enfermo de amor, sempre buscamos um pouco de razão em tudo nas nossas vidas. Até podemos ouvir algumas pessoas afirmarem que fulano ou sicrano é ‘doente’ por um time, lugar ou pessoa, mas isso ressoa mal aos nossos ouvidos.  Então o que dizer da enfermidade proposta, que certamente se refere ao amor a Deus. Sabe-se que quando uma pessoa adoece tem alguma estrutura de corpo modificada, suponhamos que um vírus aloja-se em uma pessoa, primeiro o sistema imunológico tentará combater ‘esse estranho’, quando o organismo ‘perde a batalha’, o vírus faz o seu ‘trabalho’, isto é a pessoa adoece. Como assim? O amor a Deus pode ser uma doença, ainda que santa? NÃO! Mas é preciso que nos abandonemos nesse amor, sem resistência, assim como acontece com a paixão. Quando nos apaixonamos nos rendemos ao amor, deixamos que a sedução do outro nos encante. Esta “santa enfermidade se encontra em muitos homens e mulheres apaixonados por Deus e leva as pessoas a quererem estar sempre na presença do seu amado. Ela não nos fará mal, pois é uma entrega e não uma alienação. “O meu amado é meu e eu sou dele” (Ct. 2, 16). Trata-se do Deus que dá e uma pessoa que acolhe e entrega-se. Este amor não prende Deus  ao homem, ou seja, eu amo o Senhor e Ele me ama e acabou. Não! Esse amor eterniza-se.

A bíblia relata muitas histórias de pessoas que foram enfermas de amor, pois amaram tanto a Deus que aprenderam a viver por Ele e para Ele. Podemos começar pelo grande patriarca Abraão, tão enfermo de amor que após longos anos de espera pela vinda de seu filho amado não hesitou em cumprir a vontade de Deus, que ‘estranhamente’ pediu-lhe o sacrifício de seu filho, Isaac não foi imolado, pois o mesmo Deus amado é aquele que ama, muito mais que nós, que amamos de forma limitada. Além de Abraão, muitos outros também vivenciaram esse grande amor por Deus, assim como os profetas, apóstolos, discípulos, santos e tantos outros.

A enfermidade de amor é a capacidade que temos ou aprendemos a ter de corresponder  ao amor de Deus por nós, pois: “Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”(Jo 3, 16). Se Deus nos ama tanto, não o amar é um erro. Devemos amá-lo com todo o nosso coração, como nos diz uma canção:

Amar-te mais que a mim mesmo

Amar-te mais que tudo que há aqui

Amar-te mais que aos mais queridos

Amar-te e dar a vida só por ti

Com minhas forças

Com minha alma, de todo coração

Viverei eu, só pra ti amar

Amar-te,amar-te,
Amar-te e dar a vida só por ti (Música: Amar-te mais)

Não tenha medo de ser um ‘enfermo de amor’, renda-se ao amor de Deus, este é o primeiro dos mandamentos e é o amor mais verdadeiro que há na vida.

Macileide Passos e Francisco Ribeiro

(Missionários – Comunidade Mãe Imaculada)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: