“O meu Amado é meu e eu sou dele” (Cântico dos cânticos 2, 16)

15380550_928219363975547_7688639835333376741_nViver um grande amor é uma experiência marcante na vida de qualquer pessoa e quando este é verdadeiro torna-se eterno e é essa experiência que Cristo quer realizar em nossas vidas.

Há muitas pessoas que se aproximam de nós com más intenções, mas Jesus quer o melhor para nós, para que possamos ser inteiramente D´Ele, como nos diz a palavra: “O meu Amado é meu e eu sou dele” (Cântico dos cânticos 2, 16). Ser do Amado é ser de Jesus e tê-Lo em nossas vidas. A medida desse amor depende da nossa livre entrega. Ele jamais pedirá algo que não podemos dar. É preciso render-se, apaixonar-se e deixar-se apaixonar, assim como nos disse o profeta Jeremias: “Tu me seduziste, Senhor, e eu me deixei seduzir!” (Jeremias 20, 7) e depois disso devemos nos dispor a viver este amor. “Quem acolhe e observa os meus mandamentos, esse me ama. Ora, quem me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele” (João 14, 21).

Muitas pessoas já viveram a experiência de apaixonar-se. De início vem o “encantamento”, o querer bem, o gosto de estar com o amado, enfim, a paixão chegou… E se o amor for puro e verdadeiro crescerá com o passar do tempo e aí descobrimos realmente que o amor jamais acaba, porém exigirá o compromisso dos ‘apaixonados’. É preciso alimentar o amor… E essa experiência não deve ser vivida apenas por namorados, noivos ou cônjuges. Somos convidados a viver esse amor apaixonado por Cristo, isto porque Ele nos ama desde toda a eternidade. Muitos santos viveram esse grande ‘romance, assim nos fala Santo Agostinho “Apaixonar por Deus é o maior dos romances, procura-lo a maior aventura; encontra-lo a maior de todas as realizações”. E muitos apaixonados por Cristo conseguiram mudar a história de suas vidas, famílias, congregações, isto porque o amor transforma nossos corações e nos impulsa a sermos melhores para o outro.

Percebe-se, na realidade atual, que muitas pessoas têm receio de entregar suas vidas a Jesus e por causa desse medo preenchem suas vidas com ‘amores’ vazios, refugiando-se em falsas paixões e vícios. Esquecem-se de que o verdadeiro amor só encontramos em Cristo e que esse amor jamais vai nos aprisionar. Ser do Amado, antes de tudo, é ser livre, pois somente a liberdade nos faz decidir viver essa grande aventura de amor. É preciso ser livre para amar. É preciso estar vazio para nos preencher com o verdadeiro amor. Nossas almas precisam daquilo que muitos santos chamaram de “amor esponsal”, ou seja, o amor de esposo, mas não no sentido de matrimônio entre homem e mulher, mas sim, de um amor mais profundo, o amor de uma alma esposa com seu Amado – Jesus. E neste sentido há um matrimônio, porém espiritual, como nos ensinou São João da Cruz.

Almas esposas dão ao Amado os mais belos tesouros – a fidelidade e o próprio amor, sendo inteiramente do Amado, visto que o Amado é seu, o mais terno e sublime esposo. Resta-nos apenas amar tão doce esposo, pois “A alma que caminha no amor não se cansa”. (São João da Cruz)

Macileide Passos Alves

(Missionária – Comunidade Mãe Imaculada)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: