A “Lava-Jato” de Deus para quem acumula riquezas com desonestidade

Uma impactante homilia de São Basílio proclamada há 1650 anos e atual em pleno 2017

Esta homilia do grande bispo São Basílio foi proclamada há cerca de 1650 anos – mas continuou atual em cada dia de cada mês de cada ano desde então e é atual até hoje, em pleno 2017. Embora a insensatez da ganância de centenas e milhares e milhões de grandes e pequenos corruptos seja cedo ou tarde desmascarada e os derrube pelo próprio peso da sua corrupção e culpa criminosa, a tendência humana ainda é, pela sua natureza caída, a de continuar repetindo essa insensatez ao longo de todos os séculos – até que o coração de cada um se liberte a partir de dentro e reconheça quais tesouros realmente vale a pena acumular nesta vida.

A homilia se baseia nesta passagem do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:

“Havia um homem rico, a quem as terras deram uma grande colheita. Ele se pôs a discorrer, dizendo consigo: ‘Que hei de fazer, uma vez que não tenho onde guardar a minha colheita?’. Depois continuou: ‘Já sei o que farei: derrubo os meus celeiros, construo outros maiores e lá guardo o meu trigo e todos os meus bens. Depois, direi a mim mesmo: Tens muitos bens em depósito para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te’. Deus, porém, lhe disse: ‘Insensato! Nesta mesma noite será reclamada a tua vida; e o que acumulaste para quem será?’. Assim acontecerá ao que amontoa para si, mas não é rico em relação a Deus”

(Lc 12, 16-21).

Diz-nos São Basílio:

“Insensato! Nesta mesma noite será reclamada a tua vida; e o que acumulaste, para quem será?”. A conduta deste homem é tão ridícula quanto o castigo eterno será rigoroso. De fato, que projetos abriga no seu espírito esse homem que em breve partirá deste mundo? “Derrubo os meus celeiros e construo outros maiores”.

Quanto a mim, diria de bom grado a ele: fazes bem, e assim são demolidos com justa causa os celeiros da injustiça, pois destróis com as tuas próprias mãos, de alto a baixo, o que construíste com desonestidade. Derruba ao chão as reservas desse trigo que nunca saciou ninguém e lança a razia sobre os silos que guardam a tua avareza. Arranca-lhes os tetos, derruba suas paredes e expõe à luz do sol esse trigo cheio de mofo, até saírem de sua prisão as riquezas ali cativas.

“Derrubo os meus celeiros e construo outros maiores”. E uma vez que os tenhas voltado a abarrotar, qual será a tua decisão? Acaso os demolirás para construir outros ainda maiores? Haverá maior insensatez do que atormentar-se sem fim, construindo obstinadamente para depois demolir?

Se quiseres, os teus celeiros podem ser as casas dos pobres: “Acumulai tesouros no céu”, e tudo o que neles for armazenado “a traça e a ferrugem não corroem e os ladrões não arrombam nem furtam” (Mt 6,20).

(São Basílio, em Homilia VI, Sobre as riquezas)  

                                             Aleteia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: