O bispo que dorme no escritório porque deixou o seu apartamento para refugiados

O arcebispo polonês Konrad Krajewski, esmoleiro pontifício, considera que o gesto “não tem nada de heroico”

Na Cúria Romana existe um cargo muito peculiar, chamado de esmoleiro pontifício, ou esmoleiro apostólico. Como o nome denuncia – sim, a palavra vem de “esmola” – trata-se do responsável por fazer caridade aos necessitados em nome do papa. A instituição do cargo remonta ao século XIII e suas atribuições foram definidas pelo papa Beato Gregório X (1271-1276).

Quem ocupa o cargo atualmente é o arcebispo polonês Konrad Krajewski, de 53 anos. Doutor em Liturgia, ele fez parte da equipe de mestres de cerimônia pontifícios entre 1998 e 2013, quando foi apontado para a nova função. Na ocasião, o papa Francisco desejou reinventar a esmolaria pontifícia, antes reduzida a um escritório que fazia algumas doações e expedia as bênçãos apostólicas em pergaminho.

“Você pode vender a sua escrivaninha. Você não precisa dela. Você precisa sair do Vaticano. Não espere que as pessoas batam à sua porta. Você tem que sair e cuidar dos pobres”, disse o papa a Krajewski ao designá-lo como esmoleiro, segundo o próprio arcebispo.

Desde então, o departamento tem sido muito ativo. Nesses quatro anos, a esmolaria pontifícia foi a responsável pela instalação de um albergue, chuveiros, barbearia e lavanderia para moradores de rua nas proximidades do Vaticano – e até mesmo por passeios à praia com os mendigos durante as férias.

Boa parte dos fundos usados para essas obras vêm da emissão de pergaminhos com a bênção apostólica em nome do papa, que podem ser requisitados por fiéis leigos, clérigos, religiosos ou instituições. O valor a ser pago pelo certificado é inteiramente revertido para a esmolaria apostólica e para cobrir os gastos de sua preparação e envio.

Mas se todas essas obras de caridade são feitas, como indicam as atribuições do cargo, em nome do papa, o fato é que Krajewski também percebeu a necessidade de fazer de toda a vida uma doação de amor aos mais necessitados. Há alguns meses, ele dorme no próprio escritório da esmolaria, dentro do Vaticano, pois colocou seu apartamento à disposição de famílias de refugiados.

Krajewski oferece alojamento no seu apartamento até que as famílias consigam encontrar um trabalho, se tornar independentes e encontrar uma moradia definitiva. Para ele, se trata de um gesto “natural e espontâneo”, que “não tem nada de heroico”. “O Evangelho nos ensina a ajudar quem vive na necessidade, e a primeira necessidade é a moradia”, diz.

“Há algumas semanas, chegaram outras famílias e a coisa bonita é que pela primeira vez, na minha casa, nasceu uma bela menina. E eu confesso, me sinto uma espécie de avô, um tio. É a vida que continua, dom de Deus”, conta o arcebispo.

.                                                                                   Aleteia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: