Blog Comunidade Mãe Imaculada

DNIT e PRF se reunem com Prefeitura para interdição da Presidente Dutra

Caminhões acima de três eixos, correspondente a 23 toneladas, serão proibidos de circular na Ponte Presidente Dutra, a partir deste sábado, 9 de abril.

Esta data marca o inicio dos serviços de concretagem na obra de duplicação da Ponte do lado baiano, como informou o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), em reunião na tarde desta quarta-feira (6) com a Policia Rodoviária Federal e a Companhia Municipal de Trânsito e Transportes (CMTT) de Juazeiro.

O trânsito na ponte das 05 da manhã às 22h30 só será permitido a veículos com até 3,5 metros. Nesse período, caminhões acima de três eixos deverão trafegar por uma rota alternativa através do município de Sobradinho. Estes caminhões só poderão circular na Ponte entre às 22h30 e 5h.

O DNIT ainda informa que, a partir das 22h30, apenas uma das pistas estará funcionando no sistema PARE E SIGA, tanto no sentido Juazeiro/Petrolina como o inverso. Pedestres e ciclistas irão utilizar normalmente as faixas já existentes.

A Polícia Rodoviária Federal, juntamente com os agentes de trânsito do município e Polícia Rodoviária Estadual estarão em pontos fixos como o Posto Fiscal da Adab, Posto Fiscal da Secretaria da Fazenda e na rotatória da banca, nas proximidades do “Açaí do Vilela”, durante 24h, para orientar a circulação de caminhões durante os horários determinados.

A previsão para conclusão total dos serviços de concretagem segundo o DNIT é para o inicio da segunda quinzena de maio.

Ascom/PMJ

 

 

Anúncios

Sacerdote renuncia ao seu cargo em hospital devido à realização de atos contrários à vida

O padre Ignasi Fuster, pároco da igreja Sant Celoni, Barcelona (Espanha), renunciou “por razões morais” a vice-presidência da junta do Patronato do Hospital Sant Celoni, devido à distribuição da pílula do dia seguinte e a prática de esterilizações masculinas (vasectomias) nesse centro.

O sacerdote declarou à agência em espanhol do grupo ACI, a ACI Prensa, no último 18 de março que sua renúncia foi “depois de uma tentativa de diálogo, de conversações, de luta”.

“Ao final não foi possível e por razões de consciência me amparando na liberdade ideológica e religiosa reconhecida na Constituição espanhola apresentei a demissão” em 10 de março, acrescentou.

O sacerdote explicou que como pároco de Sant Celoni lhe correspondia a vice-presidência do patronato do hospital. Ele indicou que ao descobrir que se realizavam atos contrários à vida, tentou mudar as coisas mediante o diálogo.

Entretanto, “chega um momento onde tudo se vê muito difícil (…). Então começo a alegar objeção de consciência, demito. Demito à junta”.

“Eu em todo este tempo me comuniquei com a Diocese de Terrassa e sobre se me apoiaram ou não, prefiro não declarar”, assinalou.

Acidigital

Sociedade perdeu o valor cristão da família, ressalta Bento XVI

Foto: Tony Gentile / Reuters

A Igreja não pode mais contar com a sociedade para uma compreensão do matrimônio no sentido cristão. Foi o que destacou o Papa Bento XVI em seu discurso pronunciado na manhã desta quinta-feira, 7, aos bispos indianos de tradição siro-malankareses, em visita ad Limina.

Bento XVI enfatizou que é preciso pensar no casamento como um vínculo duradouro, estável, aberto a geração dos filhos, porque a família se tornou frágil diante de valores que colocam os filhos  apenas como um direito e não como um dom.

Segundo o Santo Padre, essa mudança nos valores da família acontece de maneira rápida e drástica em todo o mundo, desafiando os cristãos a “proclamar a verdade libertadora do evangelho”.

“Infelizmente, a Igreja não pode mais contar com o sustento da sociedade em geral para promover a compreensão cristã do matrimônio como união estável e indissolúvel, orientada para a procriação e santificação dos esposos”, enfatizou Bento XVI.

Dentro deste mistério de comunhão de amor, o Papa destacou que o matrimônio sacramental e a vida familiar são expressões privilegiadas da participação na vida divina.

Assim, destacou a importância do apoio dos bispos, sacerdotes e comunidades na formação sólida e integral dos jovens, além de capacitá-los e responsabilizá-los, pode beneficiar a sociedade como um todo.

Na sequência, Bento XVI agradeceu pela fé, caridade e trabalho árduo das comunidades de religiosos e religiosas nas eparquias do país.

“A vocação à vida religiosa e o exercício da caridade perfeita é atraente em qualquer idade, mas deve ser alimentada por uma renovação espiritual constante e pela formação, que deve ser parte integrante do cotidiano de cada indivíduo e da comunidade”, disse o Papa.

O Pontífice destacou ainda a especificidade da Igreja na Índia, na qual sua unidade se reflete em uma diversidade de ritos e tradições.  O Santo Padre pediu aos bispos que continuem a promover a comunhão, deixando que o comando suave de São Paulo continue a guiar seus corações e esforços apostólicos.

Canção Nova

Dilma chora e pede um minuto de silêncio por crianças assassinadas

Escola no bairro do Realengo, local da trágedia no Rio. EFE

A presidente Dilma Rousseff pediu, emocionada, nesta quinta-feira (7), um minuto de silêncio em homenagem às crianças mortas em massacre no Rio de Janeiro, quando um atirador matou pelo menos 11 pessoas em uma escola.

Durante cerimônia em comemoração da formalização de 1 milhão de empreendedores individuais, a presidente afirmou “repudiar” o ato de violência “contra crianças indefesas”.

Ela chegou a chorar e embargar a voz ao pedir aos presentes “um minuto de silêncio aos brasileirinhos”.

“Hoje, temos também que lamentar o fato que aconteceu em Realengo com crianças indefesas. Não era característica do país ocorrer este tipo de crime. Por isso, considero que todos aqui, homens e mulheres, estamos unidos no repúdio àquele ato de violência, no repúdio a esse tipo de violência sobretudo a crianças indefesas”, afirmou.

Por causa da tragédia no Rio, Dilma não chegou a discursar sobre a marca alcançada de formalização de trabalhadores.

A cerimônia foi encerrada após 20 minutos, apenas com a fala da presidente sobre o massacre. “Encerro meu discurso homenageando crianças inocentes que perderam a vida e o futuro em Realengo”, concluiu.

O caso

Pelo menos 11 pessoas morreram e 22 ficaram feridas no episódio, na escola municipal Tasso da Silveira, em Realengo, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O atirador foi identificado pela polícia como Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos. Segundo a Polícia Militar, ele era ex-aluno da escola.

De acordo com o coronel da polícia Djalma Beltrami, Oliveira deixou no local uma carta com inscrições complicadas, segundo afirmou. “Ele tinha a determinação de se suicidar depois da tragédia”, contou Beltrami. A carta foi entregue a agentes da Divisão de Homicídios.

Conhecido na escola por ser ex-aluno, ele teria entrado sob o argumento de que iria fazer uma palestra. De acordo com a polícia, ele usou dois revólveres, que chegou a recarregar várias vezes.

G1

STF decide que piso salarial para professores é constitucional

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quarta-feira que é constitucional a fixação do piso salarial para professores da rede pública de ensino. A maioria dos ministros entendeu que o piso deve ser composto apenas pelo vencimento básico, sem levar em consideração os benefícios adicionais, como vale-refeição e gratificações.

Os ministros, no entanto, ainda não formaram consenso sobre o regime de trabalho dos professores fixado na lei 11.738 de 2008, que criou o piso. A questão será discutida na próxima semana. O Supremo vai avaliar se é constitucional o artigo da lei que determina a dedicação de um terço da jornada de trabalho de 40 horas por semana seja para atividades extraclasse, como estudo e planejamento das aulas.

O adiamento foi provocado porque não se criou a maioria necessária de seis votos para este ponto. Os ministros decidiram esperar o presidente da Corte, Cezar Peluso, que está em viagem oficial. Alguns ministros argumentaram que seria ilegal a determinação para que 33% da carga horária dos professores fosse dedicado ao estudo e ao planejamento das aulas porque isso seria uma atribuição de Estados e municípios.

A legalidade da lei que criou o piso foi decida durante julgamento de uma ação direta de inconstitucionalidade proposta pelos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul e Ceará.

Os governos alegavam falta de previsão orçamentária correspondente ao aumento salarial e à contratação de professores para suprir a mudança da jornada de trabalho prevista pela lei do piso. Os Estados ainda pediam a possibilidade de contabilizar no valor do piso as vantagens recebidas pelos professores.

Atualmente, o piso dos professores é de R$ 1.187,97 mensais para 40 horas por semana. Esse valor, segundo o Ministério da Educação, é 16% maior que o anterior, em vigor desde janeiro de 2009. Na época em que a lei foi editada, o piso salarial foi fixado em R$ 950.

Relator do caso, o ministro Joaquim Barbosa defendeu que não houve invasão de competência da União ao fixar o piso. O ministro criticou o alegado problema de caixa. “Duvido que não haja um grande número de categorias de servidores, que não esta, que tenha rendimentos de pelo menos 10, 12, até 15 vezes mais que esse piso. Para essas categorias, jamais essas questões orçamentárias são levadas em conta”, disse.

Também votaram a favor da manutenção do salário mínimo os ministros Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Luiz Fux, Ellen Gracie, Celso de Mello e Ayres Britto e Gilmar Mendes.

Apenas o ministro Marco Aurélio Mello votou contra a manutenção do piso. “É inimaginável a União legislar sobre serviço em área geográfica de Estados e municípios”.

A vice procuradora-geral da República, Debora Duprat, também abordou os problemas financeiros dos Estados no julgamento e lembrou que há previsão para que a União complemente os gastos com o piso. “Ninguém pode ignorar que nesse país tivemos situação de professores recebendo menos de R$ 100 por mês em alguns lugares. Os impactos decorrentes dessa necessidade de valorização [piso] do professor para se chegar de fato ao ensino de qualidade seria suportada pela União”.

Ao defender a lei, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse que no ano passado 40 municípios pediram complementação para o pagamento do piso, enquanto em 2009, 20 cidades recorreram ao fundo.

Para o o presidente da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores de Educação), Roberto Leão, o julgamento do Supremo representou um grande avanço para a categoria ao fixar que o piso não inclui os benefícios. “Do ponto de vista da concepção do piso não ser composto pela gratificação, já foi uma grande vitória”, disse.

Folha de São Paulo

Médicos fazem paralisação contra planos de saúde nesta quinta-feira

Médicos vão suspender por 24 horas, nesta quinta-feira (7), em todo o país, o atendimento a pacientes de operadoras de planos de saúde. Pacientes que marcaram consultas e procedimentos eletivos não serão atendidos. Somente casos de emergência serão tratados.

O protesto foi organizado pela Associação Médica Brasileira (AMB), pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam). O presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), Jorge Curi, disse ao G1 que 80% dos 160 mil médicos em todo o país que atendem pacientes de planos de saúde devem participar da manifestação.

“Ninguém vai parar a emergência, são apenas os atendimentos programados. As pessoas não vão ao consultório, porque ele estará fechado, mas poderão ir ao hospital”, afirmou Curi.

De acordo com o Curi, a categoria reivindica reajuste no pagamento feito pelos planos de saúde e menos interferência dos convênios no tratamento dos pacientes.

O diretor da Associação Médica Brasileira, Florisval Meinão, explicou que a Agência Nacional de Saúde verificou que, em dez anos, o índice de reajuste nas mensalidades cobradas pelos planos foi de 150%. Já o valor repassado para os médicos ficou em 60%.

A Agência chegou fazer uma instrução normativa em que solicitava aos convênios explicar com clareza nos contratos com os médicos qual seria a periodicidade do reajuste, mas as empresas não obedeceram.

G1

Arqueólogos poderiam ter encontrado “retrato mais antigo” de Jesus

Especialistas na Inglaterra e na Suíça analisam umas lâminas de bronze encontradas na Jordânia que poderiam conter o retrato mais antigo de Jesus, ao mostrar o rosto de um homem com uma coroa de espinhos e a inscrição “Salvador de Israel”.

Conforme informa o jornal britânico Daily Mail, os 70 códices de bronze foram encontrados entre os anos 2005 e 2007 em uma colina com vista ao Mar da Galiléia. As peças atualmente são avaliadas sob estrita confidencialidade por peritos na Inglaterra e Suíça para determinar sua antigüidade e procedência, mas se estima que datariam do século I da era cristã.

O códice mais chamativo tem o tamanho de um cartão de crédito, está selado por todos lados e oferece uma representação em três dimensões de uma cabeça humana.

O dono dos códices é Hassan Saida, um caminhoneiro beduíno que vive na aldeia árabe de Umm Al-Ghanim, Shibli. Ele negou-se a vender as peças e só cedeu duas amostras para que sejam analisadas no exterior.

Segundo o jornal, as peças foram encontradas originalmente em uma cova da cidade de Saham na Jordânia. A cova está a menos de 160 quilômetros de Qumran, a zona onde se acharam os famosos papiros do Mar Morto, uma das evidências mais famosas da historicidade do Evangelho.

Acidigital