Blog Comunidade Mãe Imaculada

A mulher cristã e a moda

 “É mais importante agradar a Deus do que aos homens” (At 4,19).

Recentemente, recebi pela internet um texto interessante, não sei quem é o autor, mas achei interessante transcrever aqui para que pudéssemos refletir:

“Quatro mulheres foram em uma reunião usando roupas muito indecentes que mostraram muito bem seus corpos. O líder do lugar deu-lhes uma boa olhada e disse-lhes para se sentar. Depois de olhar nos olhos delas disse algo que nunca vou esquecer na vida:

– Senhoras, tudo o que Deus tem feito valioso neste mundo é bem coberto e difícil de ver, encontrar ou obter. Por exemplo:

  1. Onde você pode encontrar os diamantes? No fundo de uma caverna, coberta e protegida.
  2. Onde estão as pérolas? No oceano, coberto e protegido em uma bela concha.
  3. Onde você pode encontrar ouro? Sob a terra, coberto com camadas de rocha e para obtê-lo você tem que trabalhar duro e cavar fundo.

Ele tendo dito isso, se virou para olhá-los atentamente e falou:

– Seu corpo é sagrado e único. Você é mais preciosa do que o ouro, diamantes e pérolas, e deve ser coberto também. E se você se preservar, se você mantiver seus preciosos minerais como ouro, diamantes e pérolas profundamente cobertos, uma mineração organizada e respeitável com a maquinaria necessária vai realizar anos de exploração extensiva.

Primeiro você terá contato com o governo (a família), vai assinar contratos profissionais (casamento) e desenhar profissionalmente (casamento civil). Mas se você deixar seus preciosos minerais na superfície da terra, você sempre irá atrair um grande número de mineiros ilegais para entrar e explorar ilegalmente …

Vista-se bonita, mas decente! Seu corpo é bonito, seu corpo é um tesouro, e um dia um homem bom, digno de descobrir você vai se sentir feliz em fazê-lo…”

Lendo esta reflexão, lembrei-me de uma frase do Papa São João Paulo segundo às mulheres: “Esconda a beleza do teu corpo para que as pessoas apreciem a beleza de tua alma”.

Isso é uma grande verdade. Sempre me impressionou o fato da mulher ser a última criação de Deus. Sempre vi nisso algo de especial. Ora, se Deus criou o mundo em “seis dias”, e foi fazendo tudo surgir numa ordem crescente de perfeição: minerais, vegetais, animais, homem e mulher; então, a mulher é a mais linda criação de nosso Pai. Isto me faz entender um pouco melhor a sua beleza, e também as suas dores. De um lado é a mais linda das criaturas, não só na beleza do corpo, dos olhos, dos cabelos, das mãos, que fascinam os homens; mas especialmente pela beleza do seu espírito: delicada, sensível, doce, detalhista, suave e frágil como uma flor de pessegueiro, mas, às vezes, paradoxalmente, rígida e forte como uma lâmina de aço. Ela é a mais linda flor que o divino Jardineiro plantou nesta Terra; foi criada para ser mãe, tal como a terra para dar o fruto. A mulher traz um toque especial do criador, por isso, precisa cada vez mais conhecer o seu valor e saber se preservar.

No entanto, se a mulher quiser exaltar e mostrar seu corpo, pode ser que os homens não prestem atenção em seus valores intelectuais, morais e espirituais. Se ela ressaltar seu aspecto sexual, pode ser que eles valorizem mais suas formas físicas que a sua bondade; se usarem roupas provocantes para marcar e modelar o seu corpo, pode ser que eles valorizem mais seu exterior do que seu interior, mais suas “curvas” do que o seu caráter… e tudo isso acaba por desvalorizá-la. Sinto que algumas mulheres não percebem que são levadas por uma moda que lhes leva a se vestir de uma maneira não adequada. A falta de pudor, provoca instintos e paixões, e fere a dignidade humana. A pureza do coração é a qualidade que nos permite ver o verdadeiro valor do outro.

Jesus disse aos homens: “Todo aquele que olhar para uma mulher com desejo malicioso já cometeu adultério com ela em seu coração” (Mt 5,28). Ora, isto torna-se para os homens algo mais difícil de viver se as mulheres se vestirem de maneira inconveniente. Digo isso, porque já ouvi muitos homens que querem viver a castidade, reclamando disso.

A falta de pudor, provoca instintos e paixões, e fere a dignidade humana. Eu noto que no Brasil esta tendência é muito mais exagerada que em outros países em que já estive.

Não há que se opor ao uso de roupas descentes para a praia, piscina, ginástica, etc., cada ambiente exige um tipo de roupa adequada, desde que se evite a imoralidade.

O corpo humano é criatura de Deus; é “templo do Espírito Santo” (1 Cor 3,16; 1 Cor 6,15.19) e traz em si as marcas da sabedoria do Criador. Mas dentro do ser humano, a afetividade nem sempre obedece à razão. Daí a necessidade de se evitar a excitação sensual. É preciso cuidar de nossa alma, mas também não podemos esquecer do nosso corpo. Se nos vestimos mal, de forma inadequada, podemos provocar pensamentos e atos impróprios e impuros. Aquele que olha com malícia deve cuidar para que lute contra isso, mas aquele que é olhado também precisa refletir, ter compaixão e se colocar no lugar do outro. Será que não estou sendo motivo de queda para o meu irmão?

A Sagrada Escritura ensina que Deus constituiu os primeiros pais em estado de santidade e filiação divina (“justiça original”), havia uma harmonia perfeita consigo mesmo, com a natureza e com Deus; então estavam nus, mas não sentiam rubor por isto (cf. Gn 2, 25); possuindo a amizade e a graça de Deus, desfrutavam de harmonia em si mesmos ou em seus instintos. Mas nossos primeiros pais pecaram, não se mantendo na fidelidade a Deus. Uma das consequências deste ato de rebelião é assim descrita pelo texto sagrado: “Abriram-se os olhos aos dois e, reconhecendo que estavam nus, prenderam folhas de figueira umas às outras e colocaram-nas como se fossem cinturões à volta de seus rins” (Gn 3, 7).

O homem sente vergonha de sua nudez em consequência do pecado, ao passo que antes deste não o sentia. O pecado despojou o homem da amizade e da graça de Deus, que o tornavam harmonioso. Para evitar as manifestações desta desarmonia, o homem passou a usar veste.

O Catecismo da Igreja nos ensina, quando trata da castidade que:

“A pureza exige o pudor. O pudor preserva a intimidade da pessoa, e consiste na recusa de mostrar aquilo que deve ficar escondido. Está ordenado à castidade, exprimindo sua delicadeza. Orienta os olhares e os gestos em conformidade com a dignidade das pessoas e de sua união” (n.2351).

“O pudor inspira um modo de viver que permite resistir às solicitações da moda e à pressão das ideologias dominantes” (n.2323).

“A pureza cristã requer uma purificação do clima social. Exige dos meios de comunicação social uma informação que não ofenda o respeito e a modéstia” (n.2325).

A moda feminina, muitas vezes, procura mostrar e acentuar as partes do corpo da mulher que mais devem ser escondidas e não exaltadas. Então, há de se fazer um filtro; “Tudo me é permitido, mas nem tudo me convém” (1Cor 6,12).

Enfim, as mulheres cristãs devem se nortear por aquilo que disse Exupèry: “O essencial é invisível aos olhos”. O poder das mulheres não está na sua sexualidade, mas na sua humanidade; então, ela deve procurar sua realização naquilo que é imperecível. “É mais importante agradar a Deus do que aos homens” (At 4,19).

Prof. Felipe Aquino – Cleofas

Livro de Dom Beto Breis é lançado na Catedral da Sé de São Paulo. Lançamento em Juazeiro será em agosto

O livro “Francisco de Assis e Charles de Foucauld – Enamorados do Deus humanado” foi lançado também na Catedral Metropolitana de São Paulo. A obra, escrita pelo Bispo da Diocese de Juazeiro, Dom Beto Breis, aborda duas grandes figuras da espiritualidade cristã e sua paixão comum pelo mistério da humildade de Jesus, manifestada na sua encarnação. O lançamento em Juazeiro está previsto para agosto.
O lançamento ocorreu logo após a Missa celebrada por Dom Beto e concelebrada pelos padres da catedral Luiz Eduardo Baronto e Padre Helmo Cesar Faccioli, na tarde da última sexta-feira (14). O evento reuniu muitos fiéis e religiosos, que prestigiaram a novidade editorial e a presença do autor.

Segundo Dom Beto, Francisco de Assis e Charles de Foucauld tiveram como ideal de vida a imitação de Cristo “que existindo em condição divina, não se apegou ao ser igual a Deus, mas despojou-se, assumindo a forma de escravo e tornando-se semelhante ao ser humano” (Fl 2,6-7). O autor apresenta em Francisco o modo apostólico de seguir Jesus e em Charles a vida oculta de Jesus de Nazaré.

O livro está dividido em três partes. A primeira aborda o tema “Confronto e diálogo entre as duas espiritualidades”, em que Dom Beto apresenta a compreensão que Charles de Foucauld tinha de São Francisco e os pontos de contato específicos de cada um. A segunda parte reflete sobre a “mística” da encarnação em Charles de Foucauld, como ela se desenvolve e suas consequências. Por fim, a terceira parte fala da “mística” da encarnação em Francisco de Assis.

Dom Beto conta que a obra nasceu de sua dissertação de mestrado em Espiritualidade pela Pontifícia Universidade Antonianum de Roma. A inspiração em Francisco de Assis sempre estivera presente em sua caminhada na Ordem Franciscana; mais tarde, ao participar da beatificação Charles de Foucauld em 13 novembro de 2005, o bispo passou a conhecer de perto os escritos deixados pelo místico.

“Preparando-me para a beatificação adquiri a primeira biografia de Charles de Foucauld, escrita por René Bazin, e fiquei impressionado com seu entusiasmo e paixão diante do mistério da encarnação, de um Deus que se faz pequeno – inclusive, de modo muito semelhante a Francisco”, afirma.

O bispo ressalta que o encontro que acontece entre esses dois homens de tempos tão diferentes interpela os homens e as mulheres de hoje, revelando como este mistério era contemplado e celebrado por eles, como marcou a vida de ambos e como influenciou seu jeito de se relacionar com o mundo.

“O livro contribuirá para a espiritualidade de leigos e consagrados. Papa Francisco pede uma Igreja despojada, seguidora de Cristo. Os dois mostram esse encontro. A leitura é indicada para os religiosos e cristãos em geral, que querem conhecer duas figuras que mostram que é possível viver o Evangelho. Desejo que os dois sejam mais conhecidos e possam inspirar os cristãos do século XXI”, auspiciou.

Dom Beto foi nomeado bispo pelo Papa Francisco em fevereiro de 2016. É mestre em Teologia com especialização em Espiritualidade pela Pontifícia Universidade Antonianum de Roma.

Texto e Fotos: Paulus SP | Adaptação: Pascom diocesana

Ensinar transexualismo a crianças é prejudicial, alerta especialista dos Estados Unidos

Imagem referencial / Crédito: Pexels (Domínio Público)

Dra. Michelle Cretella, pediatra, mãe católica de quatro filhos e presidente do Colégio Americano de Pediatras, assinalou recentemente que ensinar as crianças pequenas o conceito de transexualismo é prejudicial e os incentiva a acreditar em uma mentira.

“É ruim incentivar uma mentira. Sabemos que ninguém nasce transexual. Sabemos que é um mito. Infelizmente está sendo promovido por uma grande quantidade de profissionais médicos, pela mídia e pelos educadores. Mas isso não é verdade. Se reforçamos essa mentira, na verdade estamos incentivando a criança a desenvolver uma falsa crença inabalável”, indicou a especialista em uma entrevista concedida ao ‘National Catholic Register’.

Nesse sentido, disse que faz com que “a criança acredite em algo que não é verdade sobre si mesma. E se o erro é reforçado, a criança eventualmente usará hormônios que a tornarão estéril, que prejudicam os ossos, causam danos ao desenvolvimento cerebral e aumentam o risco de um acidente vascular cerebral, diabetes e câncer”.

Em um recente estudo publicado no dia 20 de junho no ‘The New Atlantis’, que resume 50 estudos independentes e revisados, advertiram que o uso experimental de “bloqueadores hormonais da puberdade” para tratar “a disforia de gênero” (discordância ou desconforto com o corpo ou com o sexo biológico) não tem suporte científico e poderia causar sérios riscos para as crianças.

Além disso, afirma que este tratamento é oferecido “sem as garantias habituais” deste tipo de terapias experimentais, tais como “exames clínicos cuidadosamente controlados, assim como estudos de acompanhamento em longo prazo”.

Atualmente, nos Estados Unidos, algumas bibliotecas públicas, como as de Nova York, Boston e San Francisco, promovem o transexualismo ao permitir “narrações de contos de drag queens” para crianças na idade de pré-escola. Além disso, existem escritos desse tipo, tais como Conhecendo a Teddy ou Sou Jazz.

Outro exemplo é uma escola primária judaica ortodoxa da Grã-Bretanha, que foi ameaçada de ser fechada depois que os inspetores do governo determinaram que violava a lei por não ensinar acerca do transexualismo.

Neste contexto, Dra. Cretella indicou que este tipo de políticas públicas são “um experimento social em massa e descontrolado”, apesar de saber que “as crianças pequenas, a grande maioria delas, até 95% dos casos, se identificam com o seu sexo biológico, depois que passam pela puberdade”.

O que os pais devem levar em consideração

Neste contexto, a pediatra disse que os pais de família que têm um filho que pensa que é do sexo “errado”, primeiramente devem tentar esclarecer a linguagem.

“É importante que os pais e as crianças compreendam que os nossos genes, nosso DNA, determinam o nosso sexo. Estamos falando de duas coisas aqui: do sexo biológico, que não pode ser mudado e do DNA; e a identidade de gênero, que é sobre como nos sentimos e pensamos sobre o nosso sexo biológico”, disse.

A especialista reconheceu que “normalmente, quando as crianças têm 3 anos, sabem a diferença entre um homem e uma mulher, um menino e uma menina. A maioria deles pode dizer corretamente: ‘sou uma menina’, ‘sou um menino’”.

“Também é importante compreender que, apesar de as crianças saberem de que sexo elas são nessa idade, não entendem que o sexo é permanente. As crianças normais podem acreditar realmente que se um homem se veste como uma mulher, ele é uma mulher. A ideia da permanência do sexo biológico não é formada no desenvolvimento cognitivo da criança até os 7 anos”, sublinhou.

Em sua experiência profissional, destacou que “as interações positivas com o pai do mesmo sexo são o que ajudam as crianças a compreender o que significa para eles ser um menino ou uma menina”.

Sobre permitir que “drag queens” leiam contos sobre transexualismo para crianças, como ocorre nos Estados Unidos, a Dra. Cretella disse que isso “as doutrina a pensar que seu sexo é meramente externo” e que “chegariam a acreditar que seu sexo é o que querem que seja, entretanto, é perigoso do ponto de vista psicológico”.

“Antes de 2013, a maioria dos médicos e terapeutas trataram como um transtorno claro e estimou-se que menos de 1% das crianças apresentaria confusão ou desordem de identidade de gênero”, explicou a especialista.

Em seguida, informou que o Reino Unido teve um aumento de 930% no número de crianças encaminhadas a “clínicas de gênero” nos últimas seis anos, incluindo algumas muito novas, como de 3 e 4 anos.

“Houve aumentos astronômicos em todo o mundo, incluindo nos EUA e no Canadá. E tem sentido, porque somos bombardeados pelas mentiras nas redes sociais, na televisão, nos jornais e revistas e nas escolas”.

“Por exemplo, quando os ativistas dizem que a pessoa nasce dessa maneira, mas sabemos que se esse fosse o caso, não estaríamos vendo um aumento tão grande como quando há um ambiente que o promove. Este é um fenômeno social”, sentenciou a especialista.

Finalmente, Dra. Cretella ressaltou que existe uma relação entre as famílias disfuncionais e a disforia de gênero, porque na “literatura psiquiátrica está bem documentado que muitas famílias com crianças confusas sobre seu sexo têm um familiar” dessas características.

“Os exemplos incluem uma mãe autoritária, um pai distante, depressão grave na mãe, problemas do controle da raiva no pai e divórcio”, acrescentou.

Acidigital

A devoção às Mil Ave-Marias

18.07.17 A

Imagem: Ômega design

A devoção às Mil Ave-Marias faz parte da tradição religiosa no Brasil e, antigamente, era sempre rezada, trazendo muitas graças aos participantes. Nossa Senhora em algumas aparições pede oração, sacrifício e penitência para salvar o mundo. Mas nossa querida Mãe nunca fez ameaças, somente orientou como uma Mãe que quer proteger seus filhos dos perigos que podem acontecer se não houver oração e conversão. É verdade que todas as orações devem vir do coração, seja uma Ave-Maria ou Mil Ave-Marias!

As Mil Ave-Marias são feitas em forma de um “super-rosário”, bem meditado sobre todos os mistérios da nossa salvação.  A oração possui grande poder! Por isso, é necessário rezar muito! Obtém-se mais com um dia de oração intensa do que com anos de contínuas discussões. O “Super Rosário” das Mil Ave -Maria, acrescido de sacrifícios, leva a um dia de oração intensa.

 “A culpa é perdoada no Sacramento da Confissão, mas a pena nós cumprimos aqui na terra com orações e penitências” (Citação de Prof. Felipe Aquino).

A devoção das Mil Ave-Marias arranca do Coração de Jesus as graças mais impossíveis que a Virgem Maria Lhe pede.

Como Rezar

Iniciamos com alguns cantos: um para Nossa Senhora e outro para o Espírito Santo. Em seguida Iniciamos com o Creio, 1 Pai Nosso e 3 Ave-Marias.

Vamos contemplar os 20 mistérios, ou seja: Gozosos, Luminosos, Dolorosos e os Gloriosos. Apenas que: ao invés de rezarmos em cada mistério 10 (dez) Ave Maria rezamos 50 (cinquenta) e assim fazemos as Mil ( 1.000) Ave-Marias.

É uma linda cerimônia oferecida Àquela que tudo merece e tudo pode na intercessão junto a Jesus. Geralmente quem não reza diz: Ah! demora muito. É verdade. Mas quando penso que gasto estas cinco horas recebendo muitas e muitas graças do céu, louvo a Deus por não gastá-las num hospital, por não gastá-las diante da TV que me rouba as graças, ou num encontro pecaminoso, ou… Você pode imaginar tantas misérias que se vive em cinco horas, você não acha?

Venha participar você também e receber de Jesus as graças necessárias, pelos méritos de Nossa Senhora!

Endereço:  Comunidade Mãe Imaculada (Casa São José)

Rua Argentina, nº122, Bairro Maria Goreti  –   Próximo  ao Colégio Paulo VI 

Tel.  (74) 98806-8646/98861-4133

Jerusalém: fórum sobre valor da cidade para judeus, cristãos e muçulmanos

Jerusalém fórum sobre valor da cidade para judeus cristãos e muçulmanos 18.07.17Realizar-se-á, em Jerusalém, na próxima quarta-feira (19/07), o fórum inter-religioso sobre o tema “Jerusalém e as religiões monoteístas: símbolos, atitudes e vida real”.

O evento é dedicado ao valor dessa cidade para os fiéis judeus, cristãos e muçulmanos, e seu papel na definição das várias identidades.

A iniciativa se realizará na escola de verão “História viva: Israel e territórios palestinos”, organizada pela Universidade Europeia de Roma em colaboração com a Associação Diplomatas, no Pontifício Instituto Notre Dame of Jerusalem Center.

Participarão do encontro o presidente do Conselho Internacional de Cristãos e Judeus, o Rabino David Rosen, protagonista do diálogo judaico-cristão desde o pontificado de João Paulo II; o filósofo palestino Sari Nusseibeh, presidente da Universidade al Quds, o estudioso de língua e tradições judaicas, Cyril Aslanov, e o analista do mundo islâmico, Alexander Greenberg, além de especialistas de geopolítica e testemunhos de experiências de diálogo inter-religioso.

“Este fórum tem como objetivo facilitar o encontro e o confronto entre diferentes visões e promover a formação de jovens na perspectiva de diálogo e conhecimento das diferenças”, explica a professora Renata Salvarani, coordenadora do evento e professora de História do Cristianismo na Universidade Europeia de Roma.

“A base é a pesquisa e o conhecimento científico. Por isso, é importante o papel da universidade”, disse ela.

Rádio Vaticano

Rio acolhe I Conferência Internacional de Louvor e Adoração Somos Um

Rio acolhe I Conferência Internacional de Louvor e Adoração Somos Um 18.07.17Um encontro para fortalecer as bases de relacionamento para um caminho ecumênico, saudável, profético. Este é o objetivo da I Conferência Internacional de Louvor e Adoração Somos Um, a ter lugar de 3 a 6 de agosto na Cidade das Artes, Barra da Tijuca.

O encontro que faz parte da Agenda oficial da Arquidiocese do Rio de Janeiro espera reunir mil pessoas “entre lideranças e povo de Deus”, como nos conta Izaías de Souza Carneiro, fundador da Comunidade Coração Novo, responsável pelo evento:

“De maneira muito especial neste ano de 2017, por força dos 500 anos da Reforma, mas também dos 50 anos da Renovação Carismática, nós teremos lá no Rio de Janeiro a I Conferência Internacional de Louvor e Adoração, que nós chamamos de “Somos Um”.

Está na agenda oficial da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Acontece entre os dias 3 e 6 de agosto de 2017 e acontece em duas partes: 3 e 4 para líderes – um encontro para líderes católicos e evangélicos –  que estarão juntos convivendo.

O ecumenismo espiritual ele sobretudo se sustenta na base dos relacionamentos, na amizade. Então nos dias 3 a 6 será um tempo favorável que esta liderança possa conviver.

Os Bispos do Rio de Janeiro –  animados e incentivados por Dom Orani – estarão presentes. Nós temos nosso Bispo Dom Roque, que foi nomeado por Dom Orani para cuidar desta causa da unidade na Arquidiocese, que estará conosco em todo o período.

Mas dias 3 e 4 para líderes. Ali a gente pretende aproximar esta liderança, para criar, para estabelecer vínculos cada vez mais fortes de unidade, em função dos passos que podem ser dados nas suas Igrejas particulares. Mas também, favorecer uma agenda para o caminho da unidade. Apontar prá frente. O que nós vamos fazer a partir de então…

Ao mesmo tempo a segunda parte, nos dias 5 e 6, que é a Conferência em si, que é aberta ao grande público. Mas que nós queremos convidar de maneira particular aqueles irmãos que são líderes dos grupos de oração da Renovação Carismática e aonde muitos evangélicos se sentem à vontade para participar muitas vezes. Porque ali nós queremos favorecer para esses irmãos – que são coordenadores de grupo, que fazem parte de núcleos de grupos de oração, para que eles saibam como lidar e em que ponto, qual é o ponto de comunhão, qual é o ponto de unidade do qual o Papa Francisco tem falado tanto: orar juntos, fazer a refeição juntos, ler a Palavra juntos, nisso a gente já pode viver a unidade.

Tem muitas situações, muitos setores dogmáticos, eu diria assim, da dogmática, aonde ali a gente não pode tocar em muitas coisas ainda. É verdade! Mas, a unidade possível já deve e pode e deve ser vivida.

Então a Conferência Somos Um é este grande encontro promovido pela Comunidade Coração Novo, com a bênção do Cardeal Orani João Tempesta na Arquidiocese do Rio, que une já na Arquidiocese várias iniciativas de unidade, mas não só na Arquidiocese.

O Padre Douglas, que está aqui junto comigo, é o orientador para esta iniciativa e ele está na Diocese de Osasco. Então a gente já começa um projeto de comunhão mesmo antes da Conferência acontecer.

A Conferência, ela não termina em si mesma. Ela é uma desculpa de Deus para que a gente possa favorecer o encontro de iniciativas ecumênicas que já existem pelo Brasil”.

Inscrições e maiores informações podem ser obtidas no site missaosomosum.com.br .

News Va

CNBB renovará convite ao Papa para visitar o Brasil

CNBB renovará convite ao Papa para visitar o Brasil 18.07.17A Rádio Vaticano divulgou no dia 12 de julho, que o Papa Francisco vai enviar um delegado para participar da celebração dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora de Aparecida, em outubro.

Embora tenha sido convidado por muitos bispos do país, o Papa já afirmou que não poderá voltar ao Brasil em 2017. Existe uma grande esperança por parte da Igreja que ele aceite retornar, quem sabe em 2018, levando uma contribuição ainda mais vigorosa para a vida eclesial, a renovação pastoral e missionária.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, vai apresentar novamente a Francisco o convite formal no momento oportuno. Quem afirma é o Presidente da entidade, o arcebispo de Brasília e cardeal, Dom Sérgio da Rocha

A 12